Voo para Lukla e Primeiro Dia de Trekking

Relatos de um montanhista no Nepal
por
Pedro Hauck
17/4/2017

Acordamos cedo e, como era de se esperar, houve bastante muvuca para organizar a bagagem de todos os 45 membros do trekking. Nos dividimos em várias vans e, driblando o trânsito da rua, chegamos ao aeroporto.

O terminal de voos domésticos estava lotado, tipo filme indiano. Ficamos um tempão esperando o desembaraço para voar. Enfim, quando entramos no terminal de embarque, ficamos sabendo que nosso voo havia sido remarcado para onze horas. Mas qual?

Como o grupo era grande, tivemos que fretar três aviões. Isso porque o aeroporto de Lukla é minúsculo e só pousa teco teco.

Meu avião foi o último a decolar, depois das 13 horas. Um ônibus nos levou até a pista onde embarcamos num bi motor. Ele tinha de um lado apenas uma fileira de cadeiras e no outro duas.

Após mais uma enrolação, enfim decolamos e o caos urbano de Kathmandu foi ficando pra trás. Fomos entrando numa periferia com ruinhas de terra onde casas se alternam com plantações de arroz e enfim passamos a sobrevoar colinas, estas ainda bastante habitadas.

Num determinado momento o avião fez um rasante para atravessar um passo e pouco tempo depois a aeromoça nos informa que iríamos pousar.

O avião vai descendo um vale e enfim toca a pista, chega na cabeceira e começa a retornar. Não parece Lukla. Em inglês ouço "this is not Lukla". E não demora para repercutir em nossa língua.

O avião estaciona e o piloto nos informa: "Em Lukla está ventando muito. Vamos esperar o tempo melhorar para decolar de novo. Talvez às 15h a gente consiga voar....".

Ligo o celular e vejo que pega 3G. Pelo Google vejo que estamos em Ramjatar. O aeroporto é menor que uma rodoviária, não tem nada pra fazer a não ser esperar. Tomados pela preguiça deitamos embaixo da asa do avião e ficamos batendo papo e descansando.

Lá pelas 16h o piloto voltou e, enfim, conseguimos voar e pouco depois de 20 minutos fizemos um pouso tranquilo no famoso aeroporto de Lukla.

Apressados, comemos alguma coisa e logo começamos a andar; o resto do grupo já havia saído. Tínhamos uma reserva num lodge em Phakding 2:30 horas depois.

Saímos quase tropeçando do aeroporto e cruzamos a cidadezinha de Lukla, que tem um centrinho muito charmoso com lojas, restaurantes e cafés. A atmosfera é excelente, uma energia muito positiva. Estava no começo do trekking do mais famoso do montanhismo que já lia a respeito desde que era adolescente.

Saio na trilha junto com Pemba e  Karina e aproveito para perguntar tudo para o nosso Sherpa. O nome das árvores, dos animais e das montanhas que dava pra ver.

A caminhada flui tranquila. Todos andando com bom ritmo, perdendo tempo para fotografar e filmar a pitoresca paisagem até que noite nos pegasse.

Um sherpa começou a se destacar pela felicidade e bom humor. Pasang, na verdade, era filho de um sherpa com uma tamang. Ele falava, além das duas línguas, o nepali (que descende do hindu) e inglês muito bem. No caminho fomos ensinando português pra ele:

— Vai Corinthians!

— Mexe a bunda!

— Vamos, vamos Brasil!

Foi isso o que ele aprendeu na primeira noite.

Chegamos em Phakding a tempo de jantar com o resto do grupo.

Conversamos bastante e logo fomos para nosso primeiro pernoite na trilha.

Links que complementam este conteúdo:
Pedro Hauck é geógrafo com mestrado em geografia física, montanhista desde 1998. Em 2002 , fundou, junto com o montanhista Maximo Kausch, o site Gente de Montanha, que hoje oferece serviços na área de expedições e cursos de montanhismo e escalada. Também é editor do site AltaMontanha.com e sócio da loja AltaMontanha.
TAGS
Nepal, montanhismo, Kathmandu, religião, budismo
relatos de aventuras
>
Artigos interessantes para você ler
>
colunas que podem lhe interessar
>
leia conteúdos destes autores
>
UMA FOTO, UMA HISTÓRIA...
>
GALERIAS – viaje através das fotos...
>
one world, one life, one great adventure